18/11/2008

EVERALDO


A notícia mais estapafúrdia do dia vem das bandas do sul. Três pessoas foram baleadas durante o jogo Grêmio e Coritiba, no Estádio Olímpico. O furdunço aconteceu entre duas torcidas organizadas do Grêmio e começou porque uma facção de torcedores estendeu um faixa no estádio em homenagem ao falecido lateral esquerdo Everaldo, titular do escrete canarinho na copa de 1970. Uma outra facção protestou e resolveu tirar a faixa na marra por um motivo: Everaldo era negro.

O Histórias do Brasil acende , às margens do Rio Maracanã , uma vela no altar da pátria ao brasileiro Everaldo Marques da Silva. Para quem não sabe, a bandeira do Grêmio tem uma estrela dourada, e não é em comemoração ao título mundial de 1983; é em homenagem ao lateral esquerdo, único jogador do clube a participar da epopéia do tri. Everaldo é a estrela negra no pavilhão gremista.

Chama Everaldo !


5 Comentários:

Blogger Pedro Paulo Malta disse...

Quanta estupidez destes arianos gremistas...

Há nem tanto tempo atrás, o zagueiro Antonio Carlos - hoje dirigente do Corinthians - protagonizou um desses episódios patéticos em Caxias do Sul, esfregando o dedo no braço para desemerecer um adversário, como se dissesse "só podia ser crioulo..." Não me lembro se o ex-jogador (na época atleta do Juventude) foi punido.

Impressionante como o Rio Grande do Sul, o mesmo que bate tambor como poucos estados no Brasil!, vira e mexe ainda tem que conviver com esse tipo de estupidez purificadora.

Abraços.

10:12 AM  
Blogger Luiz Antonio Simas disse...

Pois é, meu caro Pedro Paulo, o Rio Grande dos batuques é o mesmo capaz dessa maluquice. E o que dizer do autor do hino do Grêmio ? Era branquinho, o grande Lupe?

Abraços.

7:38 PM  
Blogger alberto disse...

Acho que o caso é sério, porque não dá pra crer que seja uma atitude nem de 10 % da torcida do grêmio. Há dezenas de milhões de racistas no Brasil , sempre houve aliás, e nem por isso vaiavam Pelé.
Quem fez isso participa de grupo neo-nazista, sem sombra de dúvida, tem que prender.

abração
mussa

11:15 PM  
Blogger Fábio disse...

Isso é coisa de neo-nazista. A gaudeirada gremista é estranha (e não digo isso porque sou Colorado-finalista-SulAmericano), mas rasgar bandeira porque o jogador é negro???? Sem conversa. Cadeia e pronto.

Tem uns caras lá com esse papo e postura nazi. Não sei o que eles fazem quando o Reinaldo ou o Perea salvam aquele timeco horrível do Grêmio e garantem uns três pontos para eles...

2:57 PM  
Anonymous Bruno Coelho disse...

Luiz, eu sou gremista e me sinto na obrigação de esclarecer alguns pontos.

Esse tema foi abordado de forma irresponsável por muitos, inclusive pela imprensa. Primeiro, que depois do depoimento do Fábio (ele não quis revelar o seu sobre nome), a imprensa não quis investigar se o motivo principal da briga de torcida era mesmo problema racial ou outro. Apenas colocou direto. Dois dias depois, o discurso da própria imprensa mudou, e o tema dinheiro passou a ser o motivo principal para briga. A notícia mudou, mas o estragou já estava feito e resulta em alienações como nos comentários acima.

Eu faço faculdade de jornalismo. Mas eu condeno algumas práticas jornalísticas, como a de noticiar fatos sem antes investigar e dar provas ou evidências para uma fonte. E isso ocorre várias vezes. E muitas pessoas ou instituições foram extremamente prejudicadas por conta dessas ações. O mesmo ocorre agora. Pode ser que o depoimento do Fábio seja verídico? Sim, mas o grande problema é que isso se tornou uma verdade absoluta, antes mesmo de fazerem maiores investigações.

E a Máfia Tricolor não é nada santa. Você sabia que essa organizada é formada por pessoas excluídas de outras organizadas, como dizem no Olímpico? E esse Fábio, o mesmo que deu o depoimento sobre o suposto problema racial, é um dos líderes dessa torcida. O que garante se ele não fez isso para colocar a opinião pública ao lado da Máfia? Se essa foi a intenção dele, então ele conseguiu.

Só acho que os comentários como o seu, do Pedro e do Fábio são lastimável. Primeiro, que o problema racial não é exclusivo do Rio Grande do Sul. Ou vai negar que em São Paulo (onde eu moro atualmente), não há preconceito contra os nordestinos? E generalizar um conceito a um grupo de pessoas também é uma das bases para o preconceito.

Sobre a questão do neo-nazistas: "O grupo não tem pretensões de disseminar suas idéias entre a torcida e usa os estádios somente para dar vasão à sua raiva, de acordo com a avaliação de Jardim", essas são palavras do delegado Paulo César Jardim, sobre o caso. Não há nenhuma ligação específica ou até mesmo “oficial” entre aqueles rapazes e a Geral do Grêmio.

De resto, gostei do seu blog, terei o maior prazer de visitá-lo mais vezes, porém, eu me senti na obrigação de responder a alguns comentários bobos aí em cima. Até mais.

8:32 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Início